Procurador da República afirma: ensinar ideologia de gênero pode ser improbidade

Em entrevista ao programa “Família & Companhia”, na TV Medicina & Saúde , de Cascavel/Paraná, o Procurador da República, palestrante e escritor Dr. Guilherme Schelb, figura frequente nos telejornais dos anos 90, quando encabeçou operações de âmbito nacional, como a Operação Vampiro, deu brilhante aula em defesa da família brasileira e contra ideologias duvidosas, demonstrando, cabalmente, que estudou muito além das apostilas de cursinho e bebeu nas fontes primárias.

Segue a aula/entrevista:

Destacam-se os seguintes excertos, que merecem transcrição:

“As escolas e creches têm sido um local de uma revolução silenciosa. O governo brasileiro, e também alguns governos estaduais e municipais, escolheram as escolas como um local de propagação de uma ideologia moral e sexual abusiva contra as crianças. Isso está sendo propalado através de materiais didáticos. As famílias estão sendo desrespeitadas, pois os pais não estão sabendo o que está sendo ensinado.”

(…)

“A lei e a constituição garante a família a primazia na formação moral dos filhos. Isto é um direito constitucional da família, que a escola desrespeita e as políticas públicas abusivamente desrespeitam”

(…)

“Tudo isso foi escrito em livros, quando formularam a ideia do comunismo eles entenderem que é necessário a destruição da família. No manifesto comunista, de 1848, você verá que Karl Marx propõe a abolição da família. Posteriormente, F. Engels escreve um livro em que ele propõe também a destruição da família tradicional, pois na visão dele, a família tradicional é a causa do surgimento da propriedade privada.”

(…)

“Eles mudaram a lógica da revolução, não é mais os operários que farão a revolução: a revolução é feita através das escolas, da mente das crianças.”

(…)

“Os grupos marxistas, socialistas, se escondem atrás da bandeira dos direitos humanos. Eles se escondem através de bandeiras nobres: combater a discriminação, combater o preconceito, defender as minorias. Isso é nobre. Mas isso é o que eles alegam fazer. Quando nós vamos observar o que eles estão efetivamente é uma corrupção sistemática mediante a erotização, pornografia. Um material como este foi apreendido em Fernandopólis/SP, mas há outros exemplos em Recife. Alguns materiais contém ‘os segredos da escola: coisas que você não deve contar para seus pais’.”

(…)

“Crianças possuem vulnerabilidade psicológica presumida. São pessoas em desenvolvimento. O que está acontecendo hoje é o desrespeito a este preceito legal e constitucional.”

(…)

“Se o professor insistir em desrespeitar: cabe ação criminal e ação de reparação individual de danos morais. Se o professor for um servidor público, é improbidade. O pai deve representar ao Ministério Público, para ajuizamento desta ação.”

(…)

“O Pacto de San José da Costa Rica garante a família o direito de formação moral dos filhos.”

(…)

“Herbert Marcuse, socialista da Escola de Frankfurt, no livro ‘Eros e Civilização’ ele propõe a libertação do logos grego, para a razão hedonista, do prazer, e propõe a erotização das crianças. A erotização, a pedofilia.”

(..)

“Isto não é só do Brasil. É da ONU. Os materiais que vêm da UNESCO já contemplam esta ideologia disfarçada. Nós não temos problemas com ideologias. Mas que ela não esteja travestida de direitos humanos. Está travestida de direitos humanos, uma política pública de de instrumentalização das crianças para a sexualidade.”

Enquanto a DPU fez uma nota de 2 parágrafos, só com clichês, a favor dos abusos da doutrinação do ENEM, o Dr. Guilherme Schelb nos enche de esperança  e orgulho do MP, citando fontes primárias, livros de diversos autores.

Rafael é autodidata. Não gosta de normas da ABNT. Não reconhece, nem valida o MEC. Não quer saber da nova ortografia.

Você poderá gostar disso:

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>