Salvem nossas crianças! Ideologia de Gênero nas Meninas Superpoderosas

As Meninas Superpoderosas voltaram e, pelo visto, vieram para lutar contra os padrões de gênero.

Desde que o Cartoon Network lançou o teaser com Docinho dizendo que não queria ser chamada de princesa, já deu pra notar que o desenho viria com uma carga de tapas na cara da sociedade ainda maior do que já costumava fazer.

 

O quinto episódio do programa que foi ao ar dia 7 de abril, chamado Horn, Sweet Horn (Chifre, doce chifre), conta a história de um unicórnio trans.
Sim, isso mesmo! O roteirista teve a brilhante ideia de falar sobre identidade de gênero por meio de Donny, um pônei falante que usava um chifre na cabeça por se identificar como um unicórnio.

No desenho, ele faz amizade com Lindinha e explica a ela:

“Eu posso não ter um chifre, mas eu tenho coração, e no meu coração eu sei que eu sou um lindo unicórnio!”.

A menina superpoderosa o aconselha, então, a passar por um procedimento, feito pelo Professor, para que ele pudesse ter seu corpo de acordo com a sua identidade.

Em entrevista ao Los Angeles Times, Nick Jennings, o produtor executivo do desenho animado falou sobre o assunto:

“Ele precisa passar por uma transformação para se tornar um unicórnio e temos todo um episódio [que traz questionamentos sobre]: ‘quem é você por dentro? Quem é você por fora? Como você se identifica? Como as pessoas te veem?’ Há muito subtexto ali. Eu não acho que ninguém é jovem demais para começar a discutir essas questões, pensar sobre essas coisas. Simplesmente apresente uma atitude e uma voz que ressoe com outras pessoas”.

 

Claro que as coisas não seriam tão simples assim e depois que Donny passa pela cirurgia, ele acaba se tornando um monstro. E fica muito chateado com isso.

Mas as meninas superpoderosas dão um jeito nisso!

Elas vão atrás do Quartel General do Pelotão da Aliança da Coalizão dos Unicórnios, e descobrem que Donny, na verdade, sempre foi um unicórnio, não importava qual era sua aparência exterior.

Olha a simbologia disso!

O episódio termina com o grande coração animado típico das superpoderosas só que nas cores da bandeira trans.
EXAME.com

Jaufran Siqueira
Empreendedor de uma dezena de projetos que nunca saíram do papel. Fala sozinho e se acha a pessoa mais simpática do mundo, apesar de que as estatísticas afirmarem o contrário.

Você poderá gostar disso:

One comment

  1. 1

    Pqp…. cara.. eu já não vejo o cartoon há muito tempo. Gostava dos recentes Hora de Aventura e Apenas um Show, quando hora de aventura cedeu a pressão dos fans com a relação lesbica das princesas lá eu já fiquei naquelas… Apenas um Show até onde vi não teve nenhuma referencia que eu tenha identificado. Assim espero. Que ele seja um desenho que continue dando referencia a épocas mais saudáveis.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>